quinta-feira, 17 de abril de 2008

As lições de Evódia e Síntique

Evódia e Síntique eram duas conceituadas mulheres macedônias. Elas tinham grande destaque na igreja cristã de Filipos, cidade da Macedônia oriental a cerca de 16 quilômetros da costa do mar Egeu. Na sua carta aos filipenses, o apóstolo Paulo cita-as nominalmente e menciona que elas deveriam se entender melhor diante do Senhor. Elas eram conhecidas por ter forte personalidade e a desavença entre ambas quebrava a harmonia e o bem-estar daquela comunidade a quem Paulo ministrava, por assim dizer, o dom da alegria, do gozo e do regozijo redobrado. Paulo diz solenemente: “Rogo a Evódia e rogo a Síntique que sintam o mesmo no Senhor” (Fp 4:2). A leitura pública de uma carta vinda das mãos de um homem de Deus com o caráter do apóstolo certamente poderia provocar o afastamento de ambas por iniciativa própria, pois ficariam envergonhadas – ou elas, por si mesmas, tomariam posição de compor “a alegria e coroa de Paulo” de firmeza no Senhor. Reforçando ainda que a desavença deveria ser sanada, Paulo, no versículo 3, apela para um companheiro que ajudasse aquelas mulheres. Afinal, friso, elas trabalharam com ele e desfrutaram de sua companhia pessoal, mas algo estranho estava ocorrendo entre ambas. Curiosamente, não se tem pista do que realmente acontecia entre Evódia e Síntique. Também, fosse qual fosse a querela, como se sabe, diante da cruz de Cristo ninguém tem razão em nutrir contendas. Certamente, estava havendo uma ferrenha disputa que já afetava a igreja local e suas lideranças, já que comportamentos assim criam partidarismos e afetam as pessoas próximas. Tudo bem ao contrário do que Paulo ensinava – que todos deveriam “pensar concordemente”, sem nódoa de mágoas ou picuinhas. Além daquela desarmonia ser contrária à verdadeira fé cristã, uma outra contradição estava espelhada nos nomes das duas servas de Deus. O nome Evódia, de evodomai, significa “ir bem”, “prosperar”, “fazer uma boa jornada”. Termos semelhantes são empregados no versículo 2 da terceira epístola de João – “Amado, desejo que te vá bem em todas as coisas”. Evódia, como cristã, não estava fazendo uma jornada feliz de vida cristã, pois vivia na desavença. Por sua vez, Síntique – também um nome grego, que significa “afortunada” –, vivia na pobreza espiritual da falta de amor e perdão. Essas duas irmãs na fé estavam contribuindo para uma possível instabilidade da harmonia familiar dos irmãos filipenses. Lembra a Bíblia que tudo o que está ali escrito é para nosso proveito, como diz Romanos 15:4. Hoje, a lição negativa dessas duas irmãs nos chama a atenção para o nosso papel nossas comunidades. Que sejamos instrumentos para manter a paz, a harmonia, a reconciliação – “cada um considerando o outro superior a si mesmo” (Fp 2:3), e tendo “o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus” (verso 5). Assim, conforme preconizou Paulo, desfrutaremos de bênçãos tão bem sintetizadas no significado dos nomes de Evódia e Síntique: Uma jornada feliz e afortunada. Extraído da Revista Eclésia, edição 121. Agnaldo L. Sacramento, enviado pelo Pr. Damárcio G. Pereira.

Nenhum comentário: